quinta-feira, 28 de julho de 2011

A NATUREZA É DE TODOS

 

01(0)

Eu AMO a natureza!

Cachorro rima com preservação ambiental SIM!!! E, foi esse o objetivo do 1º. “Trekking Ecãociente”, realizado pelo Portal Turismo 4 Patas em Jundiaí (SP).

A cidade está localizada a apenas 60km de distância da capital paulista e, juntamente com as cidades de Pirapora do Bom Jesus , Cajamar e Cabreúva, abriga a exuberante Serra do Japi.

Um raro remanescente da Mata Atlântica no interior do estado de São Paulo, a região com 354 quilômetros quadrados de área apresenta uma enorme riqueza em termos de biodiversidade, com grande número de espécies e vegetais dignas de preservação como fatores de equilíbrio ecológico e climático. Para se ter uma idéia, são mais de 300 espécies de árvores nativas!! Por isso mesmo foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT) e declarada Reserva da Biosfera pela UNESCO (United Nations Educational Scientific and Cultural Organization).

01 (1) 01 (2)

Pipa & Capitu (Goldens Retrievers)

01 (4) 01 (5)

Nina & Kika (SRDs)

01 (11) 01 (13)

Duda & Ariel (SRDs)

01 (3) 01 (9)

Mister (Sharpei) & Chelsea (Pastor de Shetland)

01 (6) 01 (10)

Cindy & Nina (Labradores Retrievers)

01 (7) 01 (8)

Snow (Cocker Spaniel) & Milo (Beagle)

 01 (12) 01 (22)

Bixiga & Draco (Goldens Retrievers)

 01 (14) 01 (23)

Chopp & Dog (Goldens Retrievers)

 01 (17) 01 (21)

Simon (Labrador Retriever), Pepper (Border Collie) & Pety (SRD)

01 (19) 01 (16) 

Yung e Marie Louise (Dachshunds)

 01 (15) 01 (18)

Chika (Dachshund) & Zeca (SRD)

01 (20) 01 (24)

Pink e Windy "Chuby" (Dachshunds) & Urso (SRD)

 01 (25) 01 (26)

Jacky & Zoya (Schnauzers)

01 (27) 01 (28)

Toth (SRD) & e Mickey (Pastor de Shetland)

01 (29) 01 (30)

Nossos anfitriões!!!

E, para conhecer um pedacinho desse paraíso ecológico, nossos trilheiros chegavam ansiosos ao Sítio Serra das Paineiras: Jacky & Zoya (Schnauzers); Pety, Zeca, Ariel, Toth, Duda, Kika, Nina & Urso (SRDs); Peper (Border Collie); Pink, Windy "Chuby", Yung, Marie Louise & Chika (Dachshunds); Mister (Sharpei); Nina, Simon & Cindy (Labrador Retriever); Capitu, Draco, Pipa, Bixiga, Chopp & Dog (Goldens Retrievers); Snow (Cocker Spaniel); Chelsea & Mickey (Pastores de Shetland) e Milo (Beagle).

A propriedade, simples e acolhedora, vizinha à reserva ecológica recebeu o nosso grupo para um dia de muito aprendizado e reflexão sobre consciência ambiental e, claro, muita integração com a natureza...experiência à qual, geralmente, infelizmente, nós, peludos, somos privados já que, por lei, ANIMAIS DOMÉSTICOS, são proibidos de entrar em parques, áreas ou reservas ecológicas– sejam elas municipais, estaduais ou federais.

01 (31)

Aguardando o início

01 (32) 01 (33) 01 (34)

Uns pacientemente

01 (35) 01 (36)

Outros nem tanto

 01 (37) 01 (38)

E aí, vamos lá???

Pausa para Sessão Informativa

Veja o que diz a lei que regulamenta os parques do país:

Regulamento de Parques Nacionais de 1979

(Decreto n. 84 017, de 21 de setembro de 1979

Art 16 - Os animais domésticos, domesticados ou amansados, sejam aborígenes ou alienígenas, não poderão ser admitidos nos Parques Nacionais.

Parágrafo Único - Em caso de necessidade, poderá ser autorizada, pela Presidência do Instituto Brasileira de Desenvolvimento Florestal – IBDF, ouvido o Departamento de Parques Nacionais e Reservas Equivalentes, a introdução e permanência de animais domésticos destinados ao serviço dos Parques Nacionais, observadas as determinações do respectivo Plana de Manejo.

Art 17 - Os exemplares de espécies alienígenas, serão removidos ou eliminados com aplicação de métodos que minimizem pertubações no ecossistema e preservem a primitivismo das áreas, sob a responsabilidade de pessoal qualificado.

 

E, com base nela, seguem-se os regulamentos dos parques Estaduais e Municipais

Regulamento de Parques Estaduais Paulistas

Lei 25.341 - Art. 16 de 04/06/1986.

Art. 16. Os animais domésticos, domesticados, ou amansados, sejam aborígines ou alienígenas, não poderão ser admitidos nos Parques Estaduais.

Parágrafo único. Em caso de necessidade, poderão ser autorizadas pela Administração do Parque a introdução e a permanência de animais domésticos destinados aos serviços dos Parques Estaduais, observadas as determinações do respectivo Plano de Manejo.

Regulamento de Parques Municipais

LEI No 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000.

Art. 29. Cada unidade de conservação do grupo de Proteção Integral disporá de um Conselho Consultivo, presidido pelo órgão responsável por sua administração e constituído por representantes de órgãos públicos, de organizações da sociedade civil, por proprietários de terras localizadas em Refúgio de Vida Silvestre ou Monumento Natural, quando for o caso, e, na hipótese prevista no § 2o do art. 42, das populações tradicionais residentes, conforme se dispuser em regulamento e no ato de criação da unidade

Art. 31. É proibida a introdução nas unidades de conservação de espécies não autóctones.

§ 1o Excetuam-se do disposto neste artigo as Áreas de Proteção Ambiental, as Florestas Nacionais, as Reservas Extrativistas e as Reservas de Desenvolvimento Sustentável, bem como os animais e plantas necessários à administração e às atividades das demais categorias de unidades de conservação, de acordo com o que se dispuser em regulamento e no Plano de Manejo da unidade.

§ 2o Nas áreas particulares localizadas em Refúgios de Vida Silvestre e Monumentos Naturais podem ser criados animais domésticos e cultivadas plantas considerados compatíveis com as finalidades da unidade, de acordo com o que dispuser o seu Plano de Manejo.

Art. 46.  Cada categoria de unidade de conservação integrante do SNUC será objeto de regulamento específico. (Sistema Nacional de Unidades de Conservação)

 

01 (39) 01 (40)

Pedindo licença à natureza

 01 (42) 01 (41)

Instruções iniciais: respeito é a base

 01 (43) 01 (44)

Eles são parte disso. Assim como nós!!!

01 (45) 01 (46)

Avante!!!

01 (47)

Um golinho, pra molhar a garganta!

Isso mesmo!!! Os humanos se acham no DIREITO de tomar posse da natureza e dispor dela como bem entender, inclusive estabelecendo suas próprias regras de utilização, dentre elas, a PROIBIÇÃO do nosso acesso. O PORQUÊ, exatamente, não se sabe. As tentativas de justificar são inúmeras....”porque os animais domésticos podem transmitir doenças à fauna local”, “porque os cães podem perseguir e até caçar os animais silvestres”, blá, blá, blá.... não digo que sejam inverdades, mas e quanto às latinhas de cerveja, restos de comida, levar amostras de flores ou galhos para casa, mergulhar nos rios com protetor solar ou perfumes, fazer fogueiras, capturar animais silvestres sabe-se lá com que objetivo, etc, etc, etc.....não me parecem atitudes ou condutas inerentes aos animais domésticos. Quem será que causa mais impacto ao meio ambiente: animais domésticos ou humanos??? Ai, esse debate pode ir muuuuuito longe!!! E não era para isso que estávamos ali!!

01 (48) 01 (49)

Agora fazemos parte do cenário!

01 (50) 01 (51)

Conhecer

01 (52)

Preservar

 01 (53) 01 (54)

Admirar

01 (56) 01 (57) 01 (59) 01 (58)

É preciso eternizar este momento

01 (60) 01 (61)

Nas lentes fotográficas….

01 (62)

…e em nossas mentes.

01 (63) 01 (64) 01 (65) 01 (66)

Momento de aprendizado e contemplação

01 (67) 01 (68)

Momento de explodir de alegria…

01 (69) 01 (70)

…e liberar a energia!

Queríamos mesmo era, além de curtir um dia divertido na companhia dos nossos donos e amiguinhos, desfrutar daquele ar puro, do cenário belíssimo, da liberdade, aprender a cuidar cada vez melhor e mostrar que sabemos respeitar a natureza, porque somos parte dela. Afinal de contas, os cães não são animais??! E os animais não são criaturas da natureza??!

 

Pausa para Sessão Cultural

200px-Tschechoslowakischer_Wolfhund

O lobo e o cão

A Origem do Cão

Como diria o “Encantador de Cães”, Cesar Milan, antes de ser um pet, euzinha sou, na devida ordem: um ANIMAL, MAMÍFERO, CANÍDEO, GOLDEN RETRIEVER....e, só depois disso, sou a CLÉO. É assim que se define um cachorro: Ser, espécie, classificação, raça e nome (essa vem dos humanos).

Portanto, um cachorro é, na sua essência, um animal.....talvez o mais antigo animal domesticado pelo ser humano, mas, ainda assim e sempre, um ANIMAL.

Teorias postulam que o cão surgiu do lobo cinzento no continente asiático há mais de 100 000 anos. Essas torias se reafirmam inclusive com base no resultado de trabalhos genéticos que, comparando o DNA destas espécies, mostraram uma semelhança superior a 99,8% entre o cão e o lobo.

Apesar de, ao longo dos séculos, ter passado por um proceso de domesticação realizado pelo homem, o cão não perdeu boa parte das semelhanças com seu ancestral e com a família dos canídeos. Aém das características físicas, os dois compartilham também características comportamentais e de povoamento.

O lobo vive em alcatéias, enquanto cão, apesar de conseguir viver isolado, sobrevive melhor em matilhas. Assim como os cães, os lobos apresentam uma grande diversidade racial – com a existência de 45 subespécies. As caudas originalmente compridas, são importante instrumento de comunicação para ambos, essencial quando precisam mostrar obediência diante do dominante, por exemplo.

O modo como se alimentam também é semelhante. O lobo obtém a maior parte de sua comida caçando em grupo e atacando presas de grande porte, vencendo-as pelo cançaso e persistência. Devido à competição entre seus membros, costumam consumir o alimento rapidamente. Após matar a presa, come até se satisfazer, passando um longo período sem se alimentar.

Como seus antepassados, os cães domésticos também comem rapidamente e poucas vezes ao dia (o que pode virar um problema, pois os cães podem se engasgar ou engolir grandes quantidades de ar). Quando alimentados em grupo, os cães podem apresentar as relações de dominação dos lobos e, como resultado, os dominantes obtêm a maior parte do alimento e os subordinados ficam com menos do que precisam. A diferença é que, enquanto o lobo alimenta-se do que captura, os nossos peludos usufruem de rações fabricadas especificamente para suas necessidades físicas.....e olha a interferência humana novamente!

Fonte: Wikipedia

01 (71)

Vem, vou lhes mostrar como se faz

01 (72) 01 (73)

01 (74) 01 (75)

01 (76) 01 (77)

Canídeos em ação!!!

01 (78) 01 (79)

Tudo junto e misturado!

01 (80) 01 (81)

01 (82) 01 (83)

Olha que tesouro!!!

01 (84) 01 (85)

A natureza é mesmo generosa!

01 (86)

E nós sabemos disso

E foi neste cenário e com este espírito que os nossos “trilheiros de 4 patas” e seus donos para exploraram uma área belíssima em meio a pastagens, com direito a interagir com os moradores locais - O que também faz parte do processo de aprendizagem. Nossa guia-mirim, Gabi, também nos levou por entre zonas de reflorestamento - principalmente de pinus e eucaliptos - até nos depararmos com uma paisagem de paralisar. E foi assim que permanecemos durante um bom tempo, paralisados diante daquela imagem que mais parecia uma pintura a mais de 1000 metros de altitude.

Enquanto admirávamos as belezas naturais e avançávamos pela trilha, íamos recebendo dicas importantíssimas sobre comportamento animal (por parte do tio Fábio, da Expert Dog); posse responsável (por parte da minha dona, Larissa Rios) e sobre as espécies locais (por parte da Tia Lia, Bióloga).

  

01 (87) 01 (88)

Só as nossas “pegadas” ficaram para trás.

01 (89) 01 (90)

01 (91) 01 (92)

Não poderia faltar um laguinho, né?

01 (93) 01 (94)

Para alegrar a turma dos “nadadores profissionais”

01 (95) 01 (96)

E incentivar os primeiros saltos e patadas

01 (97) 01 (98) 01 (99)

E todos, humanos e peludos, participam do ritual de agradecimento à natureza

01 (100)

Contribuindo para a sua preservação: nossa mudinha

No final da trilha, encontramos uma das diversas nascentes da Serra do Japi, com uma pequenina queda d’água.....o suficiente para fazermos a maior farra refrescante!! E a farra continuou mais um pouquinho, no lago do sítio, até que o almoço fosse servido.

Depois do almoço, encerramos nossa programação, agradecendo à natureza por nos acolher tão bem, num ritual que só prova que, com respeito e carinho, TODAS AS ESPÉCIES têm o DIREITO de interagir com o ecossistema....afinal, somos parte dele, não é mesmo??!

01 (101)

Ecãoscientemente feliz!

 

Dica da Cléo

Trilheiro Ecãosciente:

- Desafie a si mesmo, nunca a natureza. Respeite-a!

- Planeje a sua exploração.

- Não deixe nada além de pegadas.

- Não queime nada a não ser calorias.

- Não mate nada a não ser o tempo.

- Não tire nada além de fotografias.

- Não leve nada além de memórias.

- Cocô de cachorro NÃO é adubo!!!

Portal Turismo 4 Patas

 

Fotos: Minha dona, Larissa Rios (Turismo 4 Patas), Tia Lila Wang, Tia Kay Dabbah, Tia Vania Kuriki, Tia Paula Pedrosa (Teckel Fotografia), Tia Bruna Pereira, Tia Ellen Santos, Tio José Reitembach e Tia Dalila Pereira.

 

Clique Aqui e veja mais fotos deste evento na Galeria do Flickr do Portal

 

Apoios:

Sitio Serra das Paineiras

Frontline

Dog´s Care

Keldog

Virbac/ Endogard

Expert Dog

Health Life (Plano de Saúde Animal)

Buddy Toys

Núcleo Pet

 

OBS: Não é permitida a utilização, reprodução ou cópia – total ou parcial – de texto e imagens deste post, sem autorização prévia do autor.

3 comentários:

  1. que lugar lindo Cleo!
    lambeijos da Lethy

    ResponderExcluir
  2. Oi aumiga!!
    AUdorei seu catinho!
    Lambidas

    ResponderExcluir
  3. Adorei seu blog...agora que sou "cãe" de primeira viagem, estarei sempre por aqui...lambidas da Lola..

    ResponderExcluir